Corrida pela vacina contra a Covid-19 tem 133 candidatas em 30 países, incluindo o Brasil

por guaranoticias

Atualizado às 10h02

Três meses depois de a Organização Mundial da Saúde (OMS) caracterizar a Covid-19 como uma pandemia, o que todos querem saber é quando será possível, enfim, retornar à normalidade. Segundo especialistas, isso só acontecerá quando houver uma vacina capaz de lidar com a doença. Para os otimistas, isso pode acontecer ainda em 2020. Para os mais realistas, daqui a um ano ou um ano e meio — e ainda assim seria um recorde, considerando que a vacina mais rápida já criada, contra o sarampo, levou cerca de dez anos para ser desenvolvida (o vírus causador foi identificado em 1953 e a vacina, aprovada em 1963).

No site da OMS, um relatório publicado na última terça-feira mostra que estão sendo desenvolvidas pelo menos 133 candidatas a vacina contra o vírus SARS-Cov-2. A corrida pela descoberta do antídoto reúne ainda 30 países, entre eles o Brasil, com pesquisas em fase pré-clínica sendo desenvolvidas pela Faculdade de Medicina da USP em conjunto com o Incor e também pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Vacinas, que tem base técnica elaborada pelo Grupo de Imunologia de Doenças Virais da Fundação Oswaldo Cruz-MG.

Com relação ao total de candidatas, porém, quem lidera é os Estados Unidos, que participa como protagonista, seja por meio do governo (universidades e entidades públicas) ou do setor privado (laboratórios e empresas farmacêuticas), de 37 iniciativas. A China aparece em segundo lugar no ranking, com 17 pesquisas em andamento, acompanhada pelo Canadá, com 12.

Dessas 133 candidatas a vacina, 10 já estão na fase clínica, ou seja, sendo testadas em humanos. Essa etapa do estudo se divide em três momentos, sendo o último deles o ensaio em larga escala, com milhares de indivíduos e que fornecerá uma avaliação definitiva da eficácia e segurança do medicamento.

A pesquisa em estágio mais avançado está sendo pela Universidade de Oxford, na Inglaterra, e agora iniciará os testes da última etapa da fase clínica. O antídoto, inclusive, será testado também no Brasil, conforme publicação no ‘Diário Oficial da União’. Duas mil pessoas participarão dos testes no Brasil, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Os experimentos com brasileiros , que contam com o apoio do Ministério da Saúde e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Testes no Brasil serão feitos com voluntários

O Brasil iniciará neste mês testes com a potencial vacina que está sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, contra a Covid-19, informaram a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que participará do estudo, e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Segundo a Unifesp, duas mil pessoas participarão dos testes, que serão feitos também com apoio do Ministério da Saúde.

Para a etapa dos testes em São Paulo, serão selecionados 1 mil voluntários que estejam na linha de frente do combate à Covid-19, pois estão mais expostos à doença. Os voluntários não podem ter entrado em contato com a Covid-19.

Segundo a Anvisa, o pedido para realização dos testes foi feito junto à agência reguladora pela empresa AstraZeneca do Brasil, controlada pelo conglomerado farmacêutico AstraZeneca. O Brasil foi escolhido para participar dos testes porque por aqui a doença ainda está em plemna circulação.

Paraná confirma mais 331 casos e seis óbitos

A Secretaria de Estado da Saúde, em boletim epidemiológico emitido ontem, informa 331 novos casos confirmados da Covid-19 no Paraná e mais seis óbitos. É o segundo dia consecutivo que as novas confirmações ultrapassam a 300 casos.

O informe mostra que o número acumulado chega agora a 5.494 pessoas infectadas e que 205 morreram em decorrência da doença. Há registro da Covid-19 em 263 municípios do Estado e em 75 ocorreu ao menos um óbito.

Nesta quarta-feira (3), estavam internados 326 pacientes com o diagnóstico confirmado para Covid-19, de todo o Paraná. Destes, 240 estão em leitos do SUS (94 em UTI e 146 em leitos enfermaria) e 86 em leitos da rede hospitalar privada (31 em UTI e 55 em leitos enfermaria).

Curitiba

Curitiba registrou nesta quarta a morte de uma mulher de 57 anos, pela Covid-19. Até agora, 53 pessoas morreram na cidade por covid-19. Mais 33 casos foram confirmados, totalizando 1.191 moradores de Curitiba infectados.

Número de candidatas a vacina contra a Covid-19 por país

Alemanha: 4
Austrália: 3
Áustria: 1
Bélgica: 4
Brasil: 2
Canadá: 12
Cazaquistão: 1
China: 17
Cingapura: 1
Coreia do Sul: 2
Dinamarca: 3
Eslováquia: 1
Espanha: 5
EUA: 37
Finlândia: 1
França: 5
Holanda: 2
Hong Kong: 1
Índia: 6
Israel: 2
Itália: 3
Japão: 5
Reino Unido: 7
Romênia: 1
Rússia: 10
Suécia: 1
Suíça: 1
Tailândia: 4
Taiwan: 1
Vietnã: 1

Fonte: OMS

Brasil confirma 1.349 novas mortes por Covid-19 e 28.633 casos em 24 horas
O Ministério da Saúde divulgou na noite de ontem o boletim do novo coronavírus com 1.349 mortes a mais que o boletim de terça-feira. O total de óbitos foi para 32.548. Já o número de novos casos contabilizou 28.633 infectados, totalizando até ontem 584.016 casos. Também são 238.617 os pacientes recuperados.
São Paulo segue como o estado mais atingido. Eram, até ontem à tarde, 111.296 casos e 7.667 óbitos. O Rio de Janeiro vem a seguir, com 59.240 casos e 6.010 mortes.
Ontem, o presidente Jair Bolsonaro também formalizou no Diário Oficial da União o nome do general Eduardo Pazuello para exercer, interinamente, o cargo de ministro de Estado da Saúde. Na prática, ele já ocupava o cargo desde a saída de Nelson Teich, no dia 15 de maio.

 

Fonte: Bem Paraná (Rodolfo Luis Kowalski) – acesso 04/06/2020 – https://www.bemparana.com.br/noticia/corrida-pela-vacina-contra-a-covid-19-tem-133-candidatas-em-30-paises#.Xtjuf1RKi1s

(Foto: Reprodução)

Comentários